27 de setembro de 2009

Os "especialistas" em arbitragem no Brasil

Profissão mais imbecil que foram inventar. Primeiro porque não precisa ser ex-árbitro pra dizer se houve falta ou não, e segundo porque esses árbitros seguem cometendo seus erros de quando apitadores, agora através de um microfone.

O momento mais irritante é quando ocorre um lance duvidoso e, de imediato, sem ver o replay, dizem que foi falta. E então vem a repetição, mostrando com toda clareza do mundo que não existiu falta.
Eles voltam atrás? Jamais. Tentam justificar: "A mão nas costas empurra o adversário" ou "Houve um toque por trás no jogador". As imagens não mostrando simplesmente nada.

Ah, e por favor, alguém explica pra esses senhores que há muita diferença entre puxar e empurrar.

Pode parecer insignificante o tema, mas é muito sério. Torcedor que tem sua opinião formada pelo Arnaldo Cézar Coelho ou pelo José Roberto Wright acaba achando que o certo é ter sessenta faltas por partida. Tudo é falta no Brasil, muito graças a atuação dos "especialistas" em arbitragem, que moldam a cabeça do brasileiro com esse pensamento. Esbarrou, caiu? Falta. Encostou nas costas, caiu? Falta.



O tema é sério, mesmo. Eles atrapalham, inclusive, a melhoria da arbitragem brasileira que vem, aos poucos, acontecendo, deixando que as partidas corram mais. O árbitro Ricardo Marques Ribeiro, que apitou São Paulo 1 x 1 Corinthians, é um exemplo disso, deixou o jogo fluir. Mas vários lances em que, acertamente, não marcou falta, o senhor à direita na imagem acima disse que foi. Ou seja, pra aqueles que têm suas opiniões formadas pelos xaropes aí de cima, o árbitro tá errando, e já começam a criar seus argumentos para uma eventual derrota de seus times.

Dentre os que conheço, destaco uma exceção: Renato Marsiglia. Além de ter bom conhecimento sobre futebol, é um ex-árbitro que 'apita' as partidas diante dos microfones com mais bom senso, volta atrás se comete um equívoco, e é quem mais "deixa o jogo seguir". Marsiglia comentando a Euro 2008 parecia um comentarista de futebol, falando sobre tática, jogadores, ou seja, assiste futebol europeu. Logo, assiste uma arbitragem normal, com jogo corrido, disputado no físico, com contato. Enfim, o futebol.

Imaginar o Arnaldo fazendo isso é até engraçado...

5 comentários:

Leonardo disse...

Pior q isso só o Galvão Bueno. No mesmo jogo ele tenta ser reporter (Ontem na concentração da seleção brasileira o jogador....), comentarista tático (O Dunga tem que colocar o Robinho mais adiantado e...) , comentarista de arbitragem (A bola não saiu, a lei da física não permite ...) e historiador ( Isso porque jogando com Garrincha e Pelé o Brasil jamais perdeu, alem de que...), td isso no mesmo jogo. Isso tudo é pra fazer antes do jogo, não durante. Ao invés de eles começarem a transmissão meia hora antes pra isso, não, deixam pra começar faltando 2 min pro jogo e da nisso.

Dudu disse...

NOssa, excelente post André, esses comentáristas de futebol são uma vergonha, totalmente tendenciosos, e por incrivel que pareça as pessoas se deixam influenciar por eles (o que é pior). Enquanto o Brasil tiver essa politica de se deixar influenciar por alguém, só pq esse alguem trabalha na emissora A ou na G (heheh)seremos essa merd...
Ps, o Caio da Globo tbm é horroroso como comentarista, como pode alguém ser assim, não acrescenta nada a opinião dele, ele nunca fala coisas diretas e sempre é tudo muito bom e muito lindo pra ele. Nunca alguém erra...
Grande abraço André, sua história está no Profeta Fute!

http://profetafute.blogspot.com/

Andressa disse...

Esses comentaristas são péssimos. O pior é quando eles voltam (ou não) atrás só para concordar com o narrador. Já vi muito isso. Deprimente...

Futebol ao Cubo disse...

Leonardo:
A Globo está anos-luz de se preocupar com o bem do futebol; só quer saber dela, tanto que se opõe à mudança de calendário.
A ponto do São Paulo ter que ir a Recife quarta-feira abrir a 27ª Rodada. E por que? Porque não há paulistas na Sul-americana. Ou seja, dane-se o calendário, dane-se a viagem pra Recife, o que importa é ter o que passar, ter audiência, grana.


Dudu:
Valeu, cara!
Por meu blog ser esportivo, cito exemplos do futebol, mas é verdade o que você disse, é um problema do povo brasileiro; o que sai no Jornal Nacional é lei para a maioria.
Sobre o Caio, não sei como ainda não tive pesadelos com a voz dele. Eu não me conformo, ele fala umas coisas TÃO óbvias, ele vive num mundo repleto de felicidade, não é possível.
"Quem é melhor: Dentinho ou Dagoberto?".
- Os dois são grandes jogadores, cada um com a sua característica.
Pô, óbvio né...
Saudades do Casagrande.

Andressa:
Tem hora que chega a ser constrangedor, quando um dos "especialistas" opina algo que ninguém concorda, e o Cléber Machado nem discute mais, fala tipo: "Esse é Arnaldo Cézar Coelho, comentando a arbitragem de Fulano!", nitidamente pra não seguir discordando dele no ar.

CARLOS disse...

VOU ADERIR A CAMPANHA PELO CHIP NA BOLA, FIM DA PARADINHA NA COBRANÇA DE PENALT, RECURSO ELETRONICO PARA TIRAR DUVIDAS DO ARBITRO NA HORA E SEM LIMITE PARA SUBISTITUIÇAO DE JOGADOR. TENHO UM POUCO DE DUVIDA SOBRE A CAMPANHA PARA ACABAR COM OS IMPEDIMENTOS, PORQUE ELES SAO 90 POR CENTO DOS ASSUNTOS DOS PSEUDOS ESPECIALISTA DE ARBITRAGEM.