30 de março de 2010

Bayern e Lyon largam na frente

No primeiro dia de duelos válidos pelas quartas-de-final da UEFA Champions League, melhor para quem jogou em casa, abrindo caminho para a classificação. O Bayern de Munique recebeu o Manchester United e, com um gol de Ivica Olic, aos 47 do 2º tempo, fez 2 x 1, enquanto o Lyon fez o clássico diante do Bordeaux e venceu por 3 x 1.

Pelo ineditismo, optei por assistir ao duelo francês. De um lado o Lyon, heptacampeão francês entre 2001 e 2008; do outro o Bordeaux, que acabou com o império do OL ao se consagrar campeão na temporada passada.

No aspecto tático, Claude Puel, treinador do Lyon, escalou o time num 4-3-3 (ou 4-5-1, dependendo da ótica), com sua linha defensiva formada, da direita pra esquerda, por Réveillère, Cris, Bodmer e Cissokho, esse último um lateral bastante ofensivo, ao contrário do primeiro, que é basicamente um zagueiro pela direita. No meio campo, Toulalan era o volante centralizado, fazendo a ponta do triângulo, completados por Makoun pela direita e Pjanic pela esquerda, sendo que o primeiro, quando a posse de bola era adversária, recuava e formava uma dupla de volantes com Toulalan.

Aberto pela direita estava o selecionável Michel Bastos, posição onde rende melhor. Por ser canhoto, raramente faz uma jogada de linha de fundo, mas em compensação é letal quando corta pro meio e bate pro gol ou cruza. No lado inverso, César Delgado fazia o mesmo papel, ainda que com características mais de atacante do que de ponta, encostando em Lisandro López, o centroavante.

Do outro lado, Laurent Blanc tinha um problema pra resolver: a ausência do volante e capitão Alou Diarra. A linha defensiva era formada por Chalmé, Sané, Ciani e Tremoulinas, e, tal qual no Lyon, o lateral-esquerdo (Tremoulinas) era quem apoiava mais, enquanto o lateral-direito era praticamente um zagueiro. À frente, a dupla de volantes foi formada por Fernando Menegazzo e o tcheco Plasil, escolhido como substituto de Diarra. Mais adiante, a linha de três meias começou com Gouffran pela direita, Wendel pela esquerda e Gourcuff, o cérebro do time, centralizado. Na frente, Chamakh.

Na raça e no paint, uma breve ilustração do que foi dito:


O legal de duelo de times do mesmo país é que o gol fora de casa não chega a ser tão determinante, pois tanto o Gerland não é desconhecido pro Bordeaux quanto o Chaban-Delmas não é para o Lyon. E a partida foi, durante os 90 minutos, aberta.

O Lyon inaugurou o placar aos 10 minutos, com o argentino Lisandro López escorando chute cruzado de Bodmer. O empate veio quatro minutos depois, após Yoann Gourcuff fazer jogada pela ponta direita e cruzar para Chamakh cabecear. Gourcuff tinha liberdade pra cair por qualquer setor do campo, mas primordialmente pela direita, pra compensar a não-ofensividade de Chalmé.

O segundo gol saiu após Pjanic, maior responsável por armar as jogadas centrais do OL, fazer jogada pela esquerda e cruzar para o brasileiro Michel Bastos, em falha de Tremoulinas, fuzilar Carrasso.

O Bordeaux voltou para o segundo tempo melhor na partida, sendo o único período do confronto onde um time conseguiu acuar o outro. Mas, com o passar dos minutos, novamente a partida se reequilibrou. E o gol final saiu aos 32 minutos, quando o árbitro Felix Brych viu mão intencional de Chalmé dentro da área, em chute de Cissokho. Não vou afirmar categoricamente que o árbitro errou, não vejo problema em quem acha que foi pênalti, mas eu não marcaria. Isso à parte, Lisandro bateu e converteu.

A partida de volta acontece na próxima quarta-feira, na casa do Bordeaux.


- Bayern vira sobre o Manchester United nos acréscimos

Desde que se classificou na fase de grupos de maneira heroica, goleando a Juventus, em Turim, o Bayern ganhou uma alma que até aquele momento não tinha. A partida de hoje foi um retrato disso: um segundo tempo jogado com o coração, após irem para o intervalo com desvantagem de 1 x 0, com Wayne Rooney abrindo o placar logo aos dois minutos.

A virada começou aos 32 minutos do 2º tempo, quando Ribéry bateu falta e a bola desviou em Rooney, matando Van der Sar. Vale dizer que, até então, o goleiro holandês era o nome da partida; não fosse sua atuação, os Red Devils poderiam ter voltado pra casa com no mínimo mais um gol na conta.

Vendo o rival acuado, Louis van Gaal fez entrar Mario Gomez e Klose, se juntando a Olic na frente. E foi de Olic o gol da vitória, aos 47 minutos, após cochilo lamentável de Evra; o atacante croata roubou a bola e, com frieza, bateu no canto esquerdo de Van der Sar, decretando a justíssima vitória.

Em Old Trafford, o Bayern jogará por qualquer empate. O jogo também acontece na próxima quarta-feira.

8 comentários:

Claudio Henrique disse...

Com esse futebol covarde que o Manchester apresentou, merecia perder mesmo, espero uma atuação melhor dos diabos vermelhos na próxima semana.

Felipe Delfim disse...

O Bayern conseguiu uma vitória bem na raça, no sangue e no coração.
Mas mesmo assim, o Rooney fez uma partida boa, deixou o seu e com certeza o Manchester sai classificado.

E, pra mim, esse 3x1 do Lyon sobre o Bordeaux foi surpreendente. Foi a primeira derrota do Bordeaux, que tem a melhor campanha da Champions. Mas eu não duvido se o Bordeaux fizer 2x0 na volta e se classificar.

Confrontos, pra mim, totalmente em aberto!

E no aguardo pra Arsenal x Barcelona amanhã!!

Abraços André!

http://deprimafc.wordpress.com/

carol sakurá disse...

Passando para desejar uma feliz páscoa pra vc,André!
Saudades!
Bjs!

Gremista Fanático disse...

Fala André, pois é cara, o Bayer conseguiu um otimo resultado, ainda mais que saiu perdendo e tinha que fazer esse resultado, porque mesmo com essa vitoria não será nada facil segurar o Manchester no jogo da volta, o Lyon conseguiu abrir vantagem e deve ter vida mais facil, abraço.

Saudações do Gremista Fanático

Flávio Santos disse...

André,

Ainda acho que o Bayern vai eliminar o Manchester.

O Barcelona não conseguiu um bom resultado, apesar de atuar fora de casa. Perdeu a oportunidade de golear o Arsenal fora de casa. Quando um time tão bom quanto o inglês joga mal, não é bom perder a oportunidade da vitória.

Abraços

Lucho Cláudio disse...

Na raça e no paint... kkkkkk

Um dia teríamos (porque eu também!) que aderir a modernidade dos campinhos com táticas ilustradas. E não é que foi agora. jeje



Abraço!

Gabriela disse...

hahaha adorei o "na raça e no paint"!
Eu, particularmente, estava torcendo para o Manchester... sou fã confessa do Rooney, bem antes dele virar modinha... mas enfim, ainda bem que a lesão não tirará o inglês da copa! Agora quero ver como o Ferguson vai se virar agora... se bem que jogando em Old Trafford as coisas sao bem diferentes!

Beijao André!

Garota do Futebol disse...

Lembra de mim? Hahaha, sumi né...
Só vim pra te contar meu time, que você tanto tinha curiosidade.
Aliás, já me segue no twitter? Vou divulgar lá também, a galera tem obsessão por saber pra quem torço.

Sou Corinthians. Sofredora, maloqueira em por incrível que pareça, não fanática, hahaha.
Beijooos!