22 de setembro de 2009

A banalização do minuto de silêncio no Brasil

O Brasil avacalhou com o minuto de silêncio.

Antes de mais nada, direi em negrito: nenhuma vida é mais importante do que outra. Porém, no âmbito esportivo, e para se ter o devido respeito, não tem nexo fazer um minuto de silêncio porque morreu um conselheiro do clube, a esposa do jardineiro do clube ou o papagaio do técnico do sub-13. Esse momento deveria ser guardado pra ocasiões "nobres", que atinge a esfera nacional, como por exemplo um dos grandes acidentes aéreos no país, ou a morte de um ídolo do futebol (Pelé, Nilton Santos, Tostão, Rivelino, etc). Diferente disso, torna-se banal; e junte isso ao já mal educado povo brasileiro e temos isso:



Pelo nome do vídeo já se percebe como é levado a sério o minuto de silêncio no Brasil.

Quase igual ao que aconteceu na Inglaterra na temporada passada, nos 50 anos do desastre aéreo que matou boa parte do time do Manchester United:



O minuto de silêncio na Europa é daqueles que arrepiam, é algo respeitado, valorizado, pois tem-se três, quatro vezes por ano, quando muito. Há poucas semanas, na Inglaterra, foi-se respeitado o minuto de silêncio pela morte do ex-treinador da seleção inglesa, Sir Bobby Robson. Ou seja, não havia quem não o conhecesse, e o respeito - aliado à educação do povo - é natural. Se na Inglaterra começassem a fazer minuto de silêncio pela morte de pessoas completamente anônimas, que meia dúzia de pessoas dentro do clube conhecessem, nem a boa educação resolveria, seria banalizado.

Pra deixar claro: toda vida tem o mesmo valor, mas está na hora de literalmente respeitar o minuto de silêncio.

4 comentários:

Lucho Cláudio disse...

Esse tema é muito polêmico!
Eu concordo contigo em alguns aspectos, mas também acho que as homenagens a esses "anônimos" devem continuar, já que muitas vezes eles dedicaram quase que toda a sua vida a agremiação, por isso é justo.
A única coisa que deve mudar, é quanto a escolha do jogo que essa pessoa deve receber a homenagem. Por exemplo, se quem faleceu foi alguém ligado ao clube visitante, ninguém pode querer acreditar que a torcida mandante irá respeitar esse minuto de silêncio... ainda mais em clássico ou jogos decisivos.

Abraço Renato André.

Dudu disse...

Cara esse video do Man Utd, e City foi uma das coisas mais massas q ja vi no futebol.. Parabéns pela matéria... De uma passada no blog meu e de uns amigos.
http://profetafute.blogspot.com

Abraços!

Futebol ao Cubo disse...

Concordo com seu argumento, cara. Mas pensa quantas centenas de pessoas estão ligadas a um clube, boa parte idosas já. Vai ter minuto de silêncio todo jogo, é algo que parece parte da partida já. Há outros formas de se homenagear, uma placa para a família, uma nota no site oficial. Da forma como é, com torcidas cantando, é mais homenagem você fazer uma placa e entregar pra família do que fazê-los ver que ninguém está aí pro minuto de silêncio.


E eu tive o privilégio de assistir essa partida, cara. Foi de arrepiar, uma coisa incrível, especialmente quando focalizava o Bobby Charlton. Isso sim é homenagem.
Obrigado pelas palavras! E blog devidamente visitado.

kaka disse...

Nada como a uniao do banal com o ridiculo.....