21 de setembro de 2009

Os 10 mais

O Futebol ao Cubo inaugura hoje uma seção: Os 10 mais. E, para começar, uma lista dos 10 jogadores mais subvalorizados.
E qual a razão da lista? Simples: ver que o Barcelona não era apenas Messi e Eto'o e que o título do Bordeaux não se deve apenas a Gourcuff.

Vale dizer, ainda, que essa lista não vai incluir jogadores de grande renome. Xavi pode não ser valorizado como Messi, mas nem por isso é subvalorizado. Vidic pode não ser valorizado como Rooney, mas também é muito valorizado.

Vamos lá:


10 - Yossi Benayoun (Liverpool)
Tão subvalorizado que mal é titular nos Reds, mesmo com Riera e Babel não conseguindo se firmar no time. Meia atacante, pode jogar nos dois flancos do 4-2-3-1 habitualmente usado por Rafa Benítez. Teve seu auge na temporada ao anotar um hat-trick contra o Burnley, na 5ª rodada.

9 - Óscar Cardozo (Benfica)
O centroavante paraguaio é mais um daqueles que, pela altura, já é olhado como um jogador sem técnica, um mero cabeceador. Mas não é o caso de Cardozo, que, obviamente, tem um jogo aéreo forte (1,92m), mas finaliza, e muito bem, com os pés também. Na atual temporada, cinco gols em cinco jogos.

8 - Gaetano D'Agostino (Udinese)
O meia, revelado pela Roma, é o grande jogador de meio campo da Udinese, que atua quase sempre num 4-3-3, onde o italiano é o meia centralizado. É o típico meia que daria muito certo num clube inglês: cria e marca com igual eficiência. Teve sua primeira chance de atuar na seleção no meio desse ano, chamado por Marcello Lippi.

7 - Victor Valdés (Barcelona)
O goleiro espanhol, revelado no próprio clube, tem uma má vontade por parte da mídia que até irrita: pode fazer vinte ótimos jogos, mas na primeira falha já não é goleiro pro Barcelona.
Tem poucas chances de atuar na seleção espanhola, por ter a concorrência de Casillas e Reina.
O vídeo abaixo mostra a agilidade de Valdés, na semifinal da Liga dos Campeões 2008/09, salvando o Barça de levar um fatal gol em casa. À sua frente, "apenas" Didier Drogba.




6 - Bradley Friedel (Aston Villa)
Outro goleiro na lista. Friedel é mais um nome da ótima escola norte-americana de goleiros - basta lembrar de Meola, Keller e Howard. É detentor de um recorde absoluto e absurdo: 190 partidas consecutivas de Premier League, boa parte ainda pelo Blackburn, seu ex-time. Tem um reflexo impressionante, raramente o verá espalmar uma bola para o meio da área.
Já que o vídeo acima é de uma defesa, abaixo um gol de Friedel, ainda com a camisa do Blackburn.



Pois é, Seu narrador, "unbelievable" mesmo.


5 - Emmanuel Eboué (Arsenal)
Lateral direito de origem, o marfinense Eboué adaptou-se muito bem ao meio de campo, mais precisamente como um winger. Ótimo preparo físico e velocidade, vem se tornando cada vez mais um meia ofensivo. Porém, quando Theo Walcott estiver recuperado, boas chances de Eboué ir para o banco, já que a lateral direita é ocupada pelo mediano (e olhe lá!) Sagna.

4 - Alou Diarra (Bordeaux)
O grande nome do Bordeaux no título francês da temporada passada atende por Yoann Gourcuff, mas seu futebol não apareceria tanto não fosse Alou Diarra. Jogando ao lado de Fernando Menegazzo no 4-2-3-1 de Laurent Blanc, formou a melhor dupla de volantes da Ligue 1. É frequentemente convocado pra seleção francesa, mas não costuma atuar.

3 - Shaun Wright-Phillips (Manchester City)
Não se para Wright-Phillips na corrida sem falta. Dono de uma velocidade impressionante, alia isso a uma ótima habilidade. Despontou para o futebol no próprio time de Manchester, mas ficou negativamente marcado pela apagada passagem no Chelsea. De volta ao City, já é um dos grandes nomes do time, infernizando todo lateral esquerdo que tenta marcá-lo.

2 - Tim Cahill (Everton)
O famoso "jogador moderno". Não há função de meio campo que o originalmente meia ofensivo Cahill não faça no Everton. Até de atacante jogou na última temporada, quando todos da posição estavam contundidos. Além de chutar muito bem de fora da área, tem uma característica incomum: apesar dos seus 1,78m, é excelente cabeceador, graças a uma impulsão monstruosa.
O vídeo abaixo mostra um dos momentos áureos de sua carreira: após sair do banco, virou a partida contra o Japão, pela Copa do Mundo de 2006, com gols aos 39' e 44' do 2º tempo. O golaço da virada:




1 - Filippo Inzaghi (Milan)
Entra ano, sai ano, e Pippo Inzaghi segue sendo o cara que, no fim das contas, é quem faz os gols do Milan. Quando o assunto são torneios europeus de clubes, Inzaghi ostenta uma 'marquinha': o maior artilheiro da história, com 70 gols. Quer outra marca? É o jogador que mais anotou hat-tricks (três gols numa mesma partida) na história da Serie A italiana, à frente de nomes como Roberto Baggio, Signori, Marco van Basten e Batistuta.
Seu estilo de jogo irrita muita gente, pela enorme falta de técnica e por ficar constantemente impedido. Mas uma coisa é certa: de voleio ou de umbigo, bola em Inzaghi é 90% gol.

Abaixo, na final da Liga dos Campeões de 2006/07, Inzaghi marcou os dois gols da vitória sobre o Liverpool por 2 x 1 - o primeiro gol é bem "Inzaghado".



Na próxima semana: "Os 10 mais: supervalorizados". (Robinho que se prepare...)

2 comentários:

Hugo Becker disse...

Hahaha, essa do Friedel eu não conhecia, que beleza de gol! De canhota, ainda. Me lembrou o Maradona, até porque a estatura e a aparência física são bem semelhantes.

Supervalorizados... acho que a lista de supervalorizados é bem mais volumosa que a de subvalorizados...

Futebol ao Cubo disse...

Hahaha, claro. Maradona que, por sua vez, lembra o Arouca.

Certamente, fiz um .txt aqui, vou precisar dar uma boa filtrada nos nomes, pra escolher nove, já que o rapazinho do Manchester City é presença garantida.