6 de outubro de 2009

Os 10 mais: supervalorizados

Com um singelo atraso, a seção Os 10 mais dará andamento, e como o título diz, aí vai a lista daqueles jogadores que contam nos dedos seus bons momentos na carreira, e ainda sim são vistos como craques; pagam até fortunas por eles!

Vamos lá:

10 - Simone Perrotta (Roma)
Sabe aquela pessoa que a fisionomia dela te incomoda? É o caso de Perrotta. Ok, isso não seria problema caso jogasse bem, fosse de alguma forma útil, mas... Ainda sim, segue constantemente titular no meio de campo dos giallorossi. Adoraria citar alguma qualidade no jogo de Perrotta; encontrei uma:



Cantor.

9 - Simão Sabrosa (Atlético de Madrid)
Sabe aquela pessoa que a fisionomia dela te incomoda? É o caso de Simão.
Pois é.
Simão teve, de fato, uma ótima passagem pelo Benfica, mas quando saiu de Portugal foi uma lástima, fracasso quase engraçado no Barcelona e inoperante no Atlético.

8 - Mark van Bommel (Bayern de Munique)
Cavalo, assassino e covarde são alguns dos adjetivos que este blogueiro já soltou, após mais uma das 'leais' entradas de van Bommel num adversário.
Tem no chute à distância e na liderança - capitão do Bayern - suas principais marcas, mas é tratado como um grande volante, um volante que todo time gostaria de ter. Piada de horrível gosto.

Esteve em campo naquele inesquecível duelo Holanda x Portugal na Copa de 2006, o jogo do recorde de cartões. No vídeo abaixo, van Bommel é quem abre o vídeo, dando uma em Cristiano Ronaldo:



7 - Felipe Melo (Juventus)
Falando em cavalo, o volante da Juve e da seleção se destaca. Tem sim boas qualidades, como passe e técnica acima da média (pro Calcio, claro), mas ele ofusca tudo isso com sua cretinice.

Jogador mais indisciplinado do último Campeonato Italiano (pela Fiorentina), Felipe Melo se superou: na pré-temporada com seu novo clube, num amistoso de apenas 45 minutos contra a Inter de Milão, deu uma cabeçada em Stankovic.

Isso sem falar no último Brasil x Chile, onde merecia ter sido preso.

6 - Lukas Podolski (Colônia)
Fez uma Copa do Mundo em 2006 espetacular, sendo nomeado o melhor jogador jovem do torneio. E uma transferência ao Bayern de Munique, onde começou seu declínio.

Na primeira temporada nos bávaros, era a opção de ataque para a dupla Pizarro e Roque Santa Cruz. Não bastasse isso, Podolski sofreu uma grave lesão no tornozelo. Sabem quem a causou? Mark van Bommel, seu companheiro de time. Ou "companheiro", como preferirem.

Com o fracasso do time na temporada, foram contratados vários jogadores, dentre eles Luca Toni e Miroslav Klose. Estava formada a dupla que deixaria Podolski no banco novamente.

Lukas nunca conseguiu se firmar no Bayern nas oportunidades que teve (15 gols em 72 jogos), e acabou voltando ao seu ex-time, o Colônia, que, apesar de tradicional, está bons degraus abaixo do Bayern.

5 - Bruno Alves (Porto)
Não é mau zagueiro, isso é fato. Mas notícias como um possível interesse do Barcelona em pagar 20 milhões por ele é piada. Por vezes violento, Bruno Alves é titular do seu time e da seleção portuguesa.
Ficou marcado pelo 'ligeiro' descuido nas quartas-de-final da Liga dos Campeões passada, contra o Manchester United: (0:50min)



4 - Dimitar Berbatov (Manchester United)
Não sou daqueles que consideram Berbatov um ogro, mas é fato: está muito, mas muito longe de ser um centroavante que resolva os problemas de um time. E o Manchester United teve a coragem de pagar 30 milhões de libras (!) por ele.

3 - Bacary Sagna (Arsenal)
Jogador do Arsène Wenger. Não é forte, não marca bem, não sabe cruzar, só corre, mais nada, e ainda sim é titular da lateral direita dos gunners.

2 - Robbie Keane (Tottenham)
Tá certo que formou ao lado de Berbatov uma dupla interessante no Tottenham, ambos se completavam, mas o irlandês é absurdamente supervalorizado, a ponto de ter sido comprado pelo Liverpool por quase 20 milhões de libras. Conheceu a terra dos Beatles por seis meses (ou dezenove jogos) e se transferiu. Para o Tottenham. Parece piada. Voltou a Londres por 12 milhões de libras.

Keane invadiu meu computador e viu que seu nome fôra incluso no rascunho da lista, pois dias depois fez incríveis quatro gols na vitória do Tottenham sobre o Burnley, por 5 x 0.

1 - Róbson (Manchester City)
Profissionalismo é sua maior marca. No Santos, se trancou em casa e parou de ir treinar, forçando a diretoria a aceitar a proposta do Real Madrid. Na capital espanhola, começou a criticar publicamente o técnico Bernd Schuster, forçando sua saída para o Manchester City, e ainda teve a coragem de dizer que saía do Real para poder ser o melhor jogador do mundo.

Róbson está quase conseguindo: hoje é reserva de Craig Bellamy no Manchester City - ainda que, no atual momento, o brasileiro esteja lesionado.

Na seleção brasileira é unânime: nenhum torcedor o quer mais no time. Mas, claro, como garoto-propaganda da plin-plin, sua imagem é vendida como de um craque, como o inventor da 'pedalada', como o símbolo do futebol-arte brasileiro. E assim, Róbson segue visto pelos alienados como um fora de série.

6 comentários:

Dudu disse...

Grande André... Como está? Gostei da lista cara, só tenho algumas discordancias (normais).
Acho o Perrota um bom jogador, concordo que ele não tem muita técnica, mas se supera na raça, e forma uma bela dupla de volantes com o De Rossi (esse sim, um craque, um cara injustiçado, deveria estar num Chelses, R. Madri, Man Unt. etc), só que as laterais e os meias da Roma não ajudam muito.
Já o n° 1 da lista, Róbson, acho sim que ele é supervalorizado, ele não vale tudo o que foi investido. Mas acho ele, muito bom, técnica, visão de jogo, habilidade, enfim todos os pré-requisitos de um bom jogador.Já o resto dessa Lista está muito boa. vale acrescentar: Rosicky, Beckham, R. Gaucho, Motta (bichado).
Grande abraço, meu caro, é sempre um prazer ve-lo comentando em nosso blog!

Raul Torres disse...

Gostei o tópico e me diverti demais com seu texto. Muito bom! Parabéns!

Abs!
http://nopiquedabola.wordpress.com/

Futebol ao Cubo disse...

Fala, Dudu!

Com certeza, o De Rossi é um baita jogador, só explica ele estar na Roma ainda o amor que ele tem pelo clube (vale dizer que o pai dele é quem comanda as categorias de base da Roma).

Em 2006 eu odiava o Parreira por deixar o Róbson no banco, eu achava ele um baita jogador, mas ele provou ser fogo de palha, e a isso ainda somou-se sua falta de caráter e profissionalismo, além de, na temporada passada, ele jogar pelo Man City como se tivesse fazendo um favor ao clube.

Ah, e bacana sua visão sobre Sevilla x Real Madrid! rs
Foi um baile andaluz, de fato.


Bem-vindo, Raul!
Obrigado pelas palavras, cara, e seu blog é ótimo, marquei e marcarei presença lá outras vezes. Abraços!

Lucho Cláudio disse...

Falando em cavalo... tu lembra o que o "Canibal" Boulahrouz fez com o Cris (!!) nesse mesmo jogo, entre Holanda e Portugal ?! Isso que o van Bommel fez, foi cafézinho perto do que aquele Australopitecus ex-Chelsea (ahn?!) fez!


Não queria nem ver o que tu ia fazer, caso cruzasse com o Bobinho em um aeroporto qualquer desse BraZil (ou England)... jeje

Flávio Santos disse...

André,

Gostei muito do texto...

Ele, direta e indiretamente, fala de algo presente no meio do futebol: a supervalorização de atletas europeus.

Não seria louco de dizer que lá não há mais craques do que em solo sul americano, mas alguns tem uma projeção exagerada e um valor financeiro muito maior do que seus parcos recursos técnicos...

A imprensa e os torcedores podem se enganar (ou auto-enganar) desse jeito... o que não pode é isso ocorrer com dirigentes preparados e profissinais!

Abraços

Futebol ao Cubo disse...

Eu não lembro se foi o Boulahrouz, mas lembro de uma solada que o Cris tomou na coxa, se foi o Boulahrouz eu lembro!

Hahaha, pois é, sou muito fã do Robinho, talvez eu lhe desse um carrinho, pra rimar.


Concordo, Flávio! E notei agora que os quatro primeiros da minha lista jogam na Inglaterra, país que mais sabe vender a imagem do jogador, a ponto do Beckham ser craque! (o acho um bom jogador, mas craque jamais)